quarta-feira, 30 de dezembro de 2009

Registro de veículos com placa azul vai até 31 de janeiro

"O Ministério das Relações Exteriores solicitou ao CONTRAN a prorrogação do prazo para o registro dos veículos automotores pertencentes às Missões Diplomáticas. O prazo de 31 de dezembro de 2009, definido pela Resolução 286 do Contran, foi prorrogado para 31 de janeiro de 2010 (pela Deliberação 88/2009). A solicitação visa garantir a conclusão dos processos de registro.

Desde 1° de janeiro os veículos automotores pertencentes às Missões Diplomáticas, Delegações Especiais, Repartições Consulares de Carreira e de Representações de Organismos Internacionais passaram a ser cadastradas no Registro Nacional de Veículos Automotores (Renavam). Isso significa que esses veículos passaram a ser registrados, emplacados e licenciados pelos Departamentos Estaduais de Trânsito (Detrans).


O Cerimonial do Ministério das Relações Exteriores é o responsável pelo pré-cadastro do veículo no Renavam. Cabe a ele também expedir ao proprietário uma autorização que deve ser apresentada ao Detran para o registro do veículo."

Fonte: www.denatran.gov.br

Mais seis meses para o 7,5 %

Por essa ninguém esperava!
A tolerância de 7,5 % na pesagem por eixo, que vigoraria somente até 31/12/2009, foi prorrogada até metade do ano que vem.
A novidade foi trazida pela Resolução 337/09, publicada há pouco. É a terceira vez que o prazo é adiado em menos de dois anos.

domingo, 20 de dezembro de 2009

Reeditado o anexo à Resolução 292/08 do CONTRAN

O Anexo à Resolução 292/08 antes com 14 páginas, passou por uma reedição e emagreceu para apenas 3, sem perder o conteúdo, simplificando as consultas e poupando papel e tinta de impressão.

A norma responsável pela mudança foi a Portaria 659/09 do DENATRAN (???), publicada  há 4 dias.

Ainda não tive tempo de fazer uma minuciosa comparação em busca das diferenças, mas notei as seguintes:

- todos veículos poderão alterar para a espécie COMPETIÇÃO, e também modificar a suspensão;

- a potência do motor poderá ser alterada 10% também para menos, dependendo do veículo;

- tricliclos de passageiros não poderão mais incluir dispositivo para transporte de carga (??);

- poderá haver diminuição da lotação, dependendo do veículo;

Como não há reflexos significativos no texto do Bizuário, por hora, não será expedida atualização.


Adiada a obrigatoriedade do registro de tratores


Conforme a Deliberação 87/09 do CONTRAN, fica adiada para 01/07/2010 a entrada em vigor da Resolução 281/08, que disciplina o registro de tratores de rodas, esteiras e mistos.

Inicialmente, os tratores fabricados a partir de 01/01/2010 deveriam possuir gravação de chassis com 17 dígitos, etiqueta ou plaqueta destrutível, CRV (porte não obrigatório), entre outros identificadores. 

Essas medidas visam coibir o crescente número de furtos e roubos de máquinas deste tipo, através de subsídios que facilitam o trabalho dos agentes da lei, antes engessados pela falta de regulamentação sobre o assunto.

Além disso, pelo menos em tese, tratores envolvidos em infração de trânsito como: condutor não habilitado, condutor de categoria A ou B, equipamentos obrigatórios ausentes, ineficientes ou inoperantes, quando flagrados em via pública, poderão sofrer autuação como qualquer outro veículo.

quinta-feira, 10 de dezembro de 2009

Mais mudanças no RNTRC


Além das Resoluções 335 e 336/09 e Deliberação 86/09, publicadas há pouco pelo CONTRAN, que trazem novidades para a engenharia de tráfego e para o FUNSET, surge a Resolução 3.336/09 da ANTT, divulgada ontem. (mais informações em http://www.antt.gov.br/noticias/mostra_noticia.asp?id=3025)
A referida norma traz mudanças em relação aos prazos de adequação às novas normas do RNTRC, ou seja, o dia 18 de dezembro não é mais o limite, agora o que vale é a seguinte tabela, conforme o final do número de registro:

1 31/mar/10
2 30/abr/10
3 31/mai/10
4 30/jun/10
5 31/jul/10
6 31/ago10
7 30/set/10
8 31/out/10
9 30/nov/10
0 31/dez/10

Até cada uma destas datas, os certificados (expedidos até 15/05/2009, mesmo já vencidos) estarão automaticamente validados, conforme Art. 4º da Res. 3.336/09/ANTT.
A correspondente atualização do Capítulo 10 do Bizuário está sendo elaborada e será enviada o quanto antes.

domingo, 15 de novembro de 2009

Resoluções 333 e 334/09

Foram publicadas esta semana as Resoluções do CONTRAN nº 333 e 334/09, disponíveis em http://www.denatran.gov.br/resolucoes.htm.

A primeira altera a Resolução 157/04, prorrogando para 2015 a exigência dos extintores do tipo ABC (para sólidos, líquidos e elétricos).

A segunda resolução, isenta os veículos blindados, originalmente ou não, de cumprirem as prescrições da Resolução 254/07, no que tange aos requisitos técnicos dos vidros de segurança (laminado no parabrisas e temperado os restantes, marca do fabricante, símbolo de conformidade, etc.). É importante lembrar que as regras atinentes às películas, painéis, pictogramas, etc., ficam inalteradas.

Houve alterações no Capítulo 2.1 - Equipamentos. O arquivo PDF será enviado aos e-mails de todos os usuários do Bizuário.

Lembro que esta sistemática, conforme já divulgado aqui no blog, só será utilizada até o final deste ano. A partir de 2010, as atualizações serão anunciadas via e-mail ou aqui mesmo, conforme o tamanho, cabendo ao usuário inserí-las em seu exemplar impresso. 

Quanto ao Bizuário Digital (PDF), pelo menos por enquanto, não haverá maneira de atualizá-lo. Provavelmente irei descontinuá-lo a partir do ano que vem, tendo em vista a grande quantidade de cópias "não autorizadas"detectadas em circulação, o que acaba inviabilizando o trabalho.

quinta-feira, 12 de novembro de 2009

SINIAV

Foi publicada a Deliberação nº 85/09 do CONTRAN, disponível em http://www.denatran.gov.br/download/Deliberacoes/DELIBERACAO_CONTRAN_85_09.pdf , a qual dispõe sobre a implantação do Sistema Nacional de Identificação Automática de Veículos (SINIAV) em todo o território nacional. Esta Deliberação altera a Resolução 212/06, especialmenteno que tange ao calendário de instalação. A partir de 01/07/2014, todos os veículos, em todas as UF, deverão estar rodando com a placa eletrônica, estando sujeitos à infração prevista no Art. 237 do CTB caso sejam flagrados sem o equipamento.
Estas novidades foram inseridas no texto do Bizuário. Porém, não será emitida atualização, já que os efeitos para a fiscalização só valem daqui a quase cinco anos. Até lá muitas mudanças poderão ocorrer.

quarta-feira, 30 de setembro de 2009

+ Privilégios para veículos diplomáticos


Saiu hoje a Resolução n° 332/2009 (http://www.denatran.gov.br/download/Resolucoes/RESOLUCAO_CONTRAN_332_09.pdf), que dispõe sobre identificações de veículos importados por
detentores de privilégios e imunidades em todo o território nacional.

O referido documento dispensa de alguns requisitos os veículos
pertencentes às Missões Diplomáticas e às Delegações Especiais, aos agentes diplomáticos, às Repartições Consulares de Carreira, aos agentes consulares de carreira, aos Organismos Internacionais e seus funcionários, aos Funcionários Estrangeiros Administrativos e Técnicos das Missões Diplomáticas, de Delegações Especiais e de Repartições Consulares de Carreira e aos Peritos Estrangeiros de Cooperação Internacional.

Conforme a Resolução, "Art. 1° Os veículos importados por detentores de privilégios e imunidades, registrados, emplacados e licenciados conforme a Resolução CONTRAN nº 286/08, ficam isentos da gravação do número do chassi nos vidros e da colocação das plaquetas de repetição previstas na Resolução CONTRAN nº 24/98 e vistorias relacionadas, pelo período em que estiverem registrados em uma das categorias listadas na Resolução CONTRAN nº 286/08. Parágrafo único. A transferência dos veículos em questão no mercado nacional deverá ser precedida da adequação às identificações previstas na Resolução CONTRAN nº 24/98."

Apesar de não ter ficado bem claro, creio que as plaquetas de repetição sejam aquelas previstas no parágrafo primeiro ao Art. 2º da Resolução nº 24/98, as quais podem ser também em forma de etiqueta autocolante, contendo o mesmo código VIS que está nos vidros.

Incorporarei estas informações ao Bizuário e disponibilizarei a atualizações em momento oportuno, considerando que a fiscalização será pouco afetada por hora.


segunda-feira, 21 de setembro de 2009

CONTRAN reestabelece os efeitos da Resolução 157/04

Foi publicada hoje, 21/09/2009, a Deliberação 84/09,  que revoga a Deliberação nº 69, de 04 de julho de 2008, que suspendia os efeitos da Resolução nº 157, de 22 de abril de 2004, do CONTRAN, que fixa especificações para os extintores de incêndio.

Portanto, a partir de agora, os extintores devem voltar a ser fiscalizados de acordo com a Resolução 157/04.

Tendo em vista a nova norma,  deverão ser desconsideradas as menções à Deliberação 69/08, existentes nas páginas 4 e 5 do Capítulo 2.1 do Bizuário.

sábado, 29 de agosto de 2009

Projeto de Lei que aumenta a rigidez do CTB continua tramitando


Já faz um bom tempo, tramita na Câmara o Projeto de Lei 2872/08 que altera o Código de Trânsito Brasileiro, tornando mais rigorosas as punições para disputa de "racha", ultrapassagem perigosa e excesso de velocidade, entre outras.

As multas de trânsito, que atualmente são calculadas pela UFIR, terão seu valor fixado em reais. A gravíssima passa de R$ 191,54 (correspondente a 180 UFIR) para R$ 315; a grave passa a ser de R$ 210; a média de R$ 140; e a leve, R$ 90. 

Como a multa gravíssima prevista no projeto é de R$ 315, o valor da multa por "racha" ou "pega" será de R$ 1.575 (fator 5x). A ultrapassagem perigosa, que hoje é punida apenas com multa, poderá fazer com que o motorista perca o direito de dirigir, além do pagamento de multa de R$ 1.575. 

Pelo projeto, quem dirigir com velocidade superior à máxima permitida em até 20km/h estará cometendo uma infração grave (atualmente ela é média). Já quando a velocidade for superior à máxima permitida em mais de 50km/h a multa passa de três para cinco vezes o valor da infração gravíssima: R$ 1.575. 

A proposta torna ainda mais rigoroso o controle da ingestão de bebida alcoólica pelo motorista. Para comprovar o consumo de bebida, a quantidade de álcool por litro de sangue cai de seis decigramas para três decigramas (consequentemente, caso a medição considerada no etilômetro seja de 0,15 mg/l, ou mais, já haverá crime). 

Antes de ir a Plenário, a proposta será examinada pelas comissões de Viação e Transportes; de Finanças e Tributação; e de Constituição e Justiça e de Cidadania.

Entretanto, considerando as polêmicas inerentes ao assunto, creio que o caminho do Projeto até virar Lei ainda será bastante longo. De toda forma, será um importante passo rumo a civilização do trânsito brasileiro.

Fonte: www.camara.gov.br

quarta-feira, 8 de julho de 2009

Vetado projeto que limitaria horas ao volante


O Presidente vetou o comentado projeto de lei que limitaria as horas ao volante dos motoristas profissionais. A idéia é ótima. Porém, lendo as razões para o veto, nota-se que realmente existiam falhas que dificultariam a fiscalização por parte da PRF.  Abaixo segue o texto na íntegra:

MENSAGEM Nº 537, DE 7 DE JULHO DE 2009. 

Senhor Presidente do Senado Federal, 
Comunico a Vossa Excelência que, nos termos do § 1o do art. 66 da Constituição, decidi vetar integralmente, por contrariedade ao interesse público, o Projeto de Lei no 2.660, de 1996 (no 32/01 no Senado Federal), que “Acrescenta dispositivos à Lei no 9.503, de 23 de setembro de 1997, que institui o Código de Trânsito Brasileiro, para limitar o tempo ininterrupto de direção do motorista de caminhão ou ônibus trafegando em rodovia”. 
Ouvido, o Ministério das Cidades manifestou-se pelo veto ao projeto de lei conforme razões abaixo: 

“Na forma da redação dada para a proposta, a vedação é apenas para condução de veículo em 'rodovia', ou seja, via pavimentada, não abrangendo ‘estradas’, ou seja, via não pavimentada. Por sua vez, o agente de trânsito não terá como identificar em qual tipo de via o veículo estava trafegando nas últimas horas. Também não se especifica como será o controle do tempo, pois não há exigência de equipamento de registro individualizado do tempo de direção e não há exigência de tempo mínimo em cada parada ou de tempo mínimo de repouso entre um dia e outro de serviço, sendo este o período de descanso mais importante para a efetiva recuperação das condições físicas do condutor. Assim, não parece viável a aplicação da norma nos termos propostos.” 

Essas, Senhor Presidente, as razões que me levaram a vetar o projeto em causa, as quais ora submeto à elevada apreciação dos Senhores Membros do Congresso Nacional. 

quarta-feira, 17 de junho de 2009

Evolução natural

Dando mais um passo na evolução do Bizuário Operacional, trago as seguintes informações:

- A modalidade "CONVENCIONAL" deixa de existir a partir de 01/07/2009. Ficam somente a "COMPLETA" e a "DIGITAL".

- Os exemplares do Bizuário adquiridos a partir de 01/07/2009, completos ou digitais, não serão mais atualizados por meio de arquivos PDF. Todas e quaisquer alterações em relação a legislação em vigor continuarão a ser informadas a todos os adquirentes, da forma habitual, somente por e-mail. Ficará a cargo dos adquirentes inserir as informações em seus exemplares da forma que melhor lhes aprouver.

- Já os exemplares adquiridos até 30/06/2009, sejam convencionais, completos ou digitais, independentemente da edição, terão as atualizações asseguradas até 31/12/2009.

Os motivos que me levaram a decidir isto foram vários. Entretanto, o principal foi de preservar a qualidade do material, já que o grande volume de dados presentes na obra, muitos deles indexados, tornam a tarefa de mantê-los coesos tecnicamente complexa e trabalhosa, principalmente diante do tempo exíguo que todos nós "policiais" dispomos.

Desta forma, apesar de assumir um formato similar às outras publicações do gênero, o Bizuário continuará sendo uma ferramenta com custo-benefício extremamente vantajoso, o que é sabido pelos adquirentes que o utilizam no seu dia-a-dia.

domingo, 31 de maio de 2009

Faixas refletivas em ônibus e microônibus


Após quase 15 anos em vigor, a Resolução nº 811/96 do CONTRAN, que trata dos requisitos de segurança para veículos coletivos de passageiros, foi finalmente atualizada através de uma nova resolução, a 316/09.

Apesar do texto ser predominantemente técnico, encontramos basicamente duas exigências que devem fazer parte do dia-a-dia dos agentes de trânsito.

A primeira delas é a seguinte:

"Art. 11. Fica proibida a utilização de pneus reformados, quer seja pelo processo de recapagem, recauchutagem ou remoldagem, no eixo dianteiro, bem como rodas que apresentem quebras, trincas, deformações ou consertos, em qualquer dos eixos do veículo."

"Art. 14. Os proprietários e condutores de veículos em circulação desprovidos dos requisitos estabelecidos no caput do art. 11 ficam sujeitos às penalidades constantes no art. 230, inciso IX do Código de Trânsito Brasileiro, constituindo uma infração grave a não observância destes requisitos."

A proibição de pneus reformados e rodas com defeito já existia na Res. 811/96. O texto foi apenas aperfeiçoado.

A segunda é a exigência de faixas refletivas:

"Art. 12. Os veículos novos M2 e M3, fabricados a partir de 01 de janeiro de 2010, somente poderão ser comercializados quando possuírem dispositivo refletivo afixado de acordo com as disposições constantes do Apêndice do Anexo IX desta Resolução. Parágrafo único - Ficam vedados registro e licenciamento dos veículos que não atendam ao disposto no caput deste artigo. Art. 13. Os veículos M2 e M3 em circulação, fabricados até a data de publicação desta Resolução, somente poderão ter renovada a licença anual, correspondente ao ano de 2010, quando possuírem dispositivo refletivo afixado de acordo com as disposições constantes do Apêndice do Anexo IX desta Resolução."

Ou seja, todos os ônibus e microônibus, novos e usados, que forem produzidos, registrados e licenciados a partir de 2010, deverão estar equipados com faixas refletivas. O único senão é que será impossível autuar a falta do equipamento ou sua utilização em desacordo, por falta de previsão legal no texto da resolução (problema que poderá ser solucionado com uma resolução ou retificação posterior).

É importante lembrar que a Res. 811/96 não foi expressamente revogada:

"Art. 18. Esta Resolução entra em vigor na data de sua publicação, produzindo efeitos a partir de 01/07/2009, sendo facultado antecipar sua adoção total ou parcial, ficando convalidadas, até esta data, as características dos veículos fabricados de acordo com a Resolução nº 811/96 (...) "

Por fim, é interessante o fato do CONTRAN passar a utilizar nas últimas resoluções a classificação de veículos dada pela NBR 13.776, bem mais clara que a do Art. 96 do CTB, com as eternas confusões de conceitos entre veículos mistos, utilitários, camionetes, camionetas, e por aí vai.

sábado, 28 de março de 2009

Novos Apêndices


Dentro da proposta de tornar o Bizuário Operacional uma ferramenta cada vez mais completa, um total de oito apêndices já estão disponíveis aos utilizadores. São eles: (A) restrições de tráfego, (B) inscrição de pesos e capacidades, (C) comunicação via rádio, (D) tabela de valores das multas de peso, (E) fiscalização de cargas excedentes, (F) distribuição de placas por UF, (G) tabela de localização de chassis/motor/caixa e (H) fiscalização da Lei 11.705/08. Com o passar do tempo, novos apêndices deverão ser disponibilizados.

sexta-feira, 6 de março de 2009

Nova modalidade de Bizuário


Mesmo aproveitando ao máximo o espaço do Bizuário, sempre tive que fazer vários cortes no texto a fim de adequá-lo ao peso máximo de 500 gramas, exigido pelos Correios para envio de carta registrada, visando sempre disponibilizar um material com boa relação custo x benefício para os adquirentes.


Entretanto, preciso acrescentar coisas novas que fazem falta no nosso dia-a-dia e, para isso, reorganizei o Bizuário em três modalidades: convencional, completo e digital. Todos trazem o mesmo conteúdo, o que os diferencia é a forma de envio.


O Bizuário convencional, composto por capa, 10 capítulos e índice, encadernados com espiral, é enviado por carta registrada, cujo valor está incluso no investimento. Adicionalmente, são enviados os apêndices (em arquivos PDF) contendo os assuntos que ficaram de fora por causa do espaço, os quais serão impressos a critério do adquirente.


O Bizuário completo possui todo o conteúdo impresso e encadernado, inclusive os apêndices, e só pode ser enviado por encomenda PAC ou SEDEX (valor sob consulta).


O Bizuário digital também possui o conteúdo completo. No entanto o adquirente o recebe via email e imprime se desejar.


Os apêndices, ao contrário dos capítulos, tratam de assuntos bem específicos e tem a função de complementar o texto principal. Dois deles, que tratam das restrições de tráfego em feriados e inscrição de pesos e capacidades, já estão finalizados e serão remetidos a todos os usuários do Bizuário, a fim de serem anexados ao manual.

segunda-feira, 23 de fevereiro de 2009

Embriaguez


Recentemente li que no final do ano passado a Divisão de Multas e Penalidades foi obrigada a anular centenas de AIT feitos com base no artigo 165 do CTB, simplesmente por que os agentes que os lavraram não consideraram a tolerância prevista na Portaria 06/2002, do INMETRO, na conversão da medição realizada em medição considerada, preenchendo os dois campos com o mesmo valor.


Já o fato de até algum tempo atrás haver a necessidade de se realizar dois testes no etilômetro com intervalo de 15 minutos (prova e contraprova), outras tantas penalidades foram desclassificadas no nível judiciário, já que os valores, via de regra, eram diferentes, fazendo com que fossem interpretados como prova não confiável. Com a nova edição do MPO-007 esse problema foi sanado, não existindo mais a necessidade de se realizar dois testes, a não ser em casos específicos, ficando à cargo da discricionariedade do agente.


Em geral, o nível de álcool no segundo teste é menor quando a ingestão de álcool se deu a mais tempo, e o organismo já o está eliminando. O contrário se dá quando a ingestão é recente e a substância ainda está sendo absorvida pelo sistema digestivo.


Outra dúvida que muitos tem está na negativa do condutor em realizar os testes (etilômetro, sangue e clínico). Conforme orientação do Departamento, só haverá autuação em caso de fundada suspeita do condutor ter ingerido álcool, devendo ser preenchido o Termo de Constatação de Embriaguez (que será anexado ao AIT). O veículo deverá ser retido até a apresentação de um condutor habilitado, porém não haverá prisão.


Em casos que a medição realizada no etilômetro seja de 0,34 mg/l ou mais (considerada 0,30 mg/l), o que resulta na prisão do condutor pelo Art. 306, deverá ser mencionado tanto no AIT quanto na ocorrência policial, o equivalente em Dg de álcool por litro de sangue (Dg/l), pois, para o CTB, o crime de trânsito só se caracteriza se houver concentração igual ou maior que 6 Dg/l, ou seja, em momento algum fala em etilômetro, gerando algumas absolvições indevidas no âmbito judiciário. A tabela de conversão e outras informações úteis estão Capítulo 7 do Bizuário.

sábado, 24 de janeiro de 2009

Xenon - afinal, como fiscalizar ???


Depois de evoluir das minguadas lâmpadas incandescentes para as eficientes halógenas, os faróis veículares finalmente ganharam as moderníssimas lâmpadas de descarga de gás, vulgo xenon. As lâmpadas de descarga de gás não são exatamente uma novidade, elas existem há vários anos no exterior e tem exatamente o mesmo princípio de funcionamento das lâmpadas fluorescentes, precisando igualmente de reator e starter. As lâmpadas xenon consomem 35 watts, contra 55/60 watts de uma lâmpada halógena H4 (o tipo mais comum), gerando cerca de 3 vezes mais luminosidade e com vida útil maior, sendo pois muito mais eficientes e seguras, pelo menos para quem está sentado atrás delas. Há xenon de várias cores, o espectro varia de 0 a 12.000 graus kelvins (temperatura de cor), sendo 6.000 k a cor mais próxima à luz do dia, ficando mais próxima do ultra-violeta para cima e do infra-vermelho para baixo. Na casa dos 3.000 k a luz tem um tom amarelado. Com 4.000 a 5.000 k (a maioria dos xenon), a luz tem um tom branco ou super branco, muitas vezes confundido com azul. A partir de 6.000 k, a luz é inegavelmente irregular, fugindo do padrão branco ou amarelo determinado pela Res. 14/98.

FISCALIZAÇÃO: primeiramente devemos diferenciar os veículos em três grupos: os que sairam com o xenon de fábrica, os que não temos certeza e os que fizeram a alteração posteriormente. Nos dois primeiros grupos, devemos verificar somente se a luz atende às cores branca ou amarela. Se tudo tiver ok o veículo deverá ser liberado. No terceiro grupo, independentemente da data de fabricação do veículo ou de instalação do xenon, obrigatoriamente deverá constar a modificação e o número do CSV no campo observações do CRLV (conforme determina a Res. 292/08, que revogou a 262/07, que revogou a 201/06, que revogou a 25/98), caso contrário será considerado como alteração de característica, ou mais especificamente, alteração do sistema de iluminação (230*XIII).

LAVADOR DE FAROL E REGULAGEM DE ALTURA: Não só os xenon, mas qualquer farol que emita a partir de 2.000 lumens, deverá estar equipado com lavador e regulagem de altura. A questão é que é preciso um medidor de luminosidade para sabermos se este limite foi excedido ou não. Em resumo, esqueça por enquanto a questão do lavador e da regulagem até que seja fornecido um aparelho homologado (o que provavelmente nunca irá ocorrer, a exemplo do medidor de transmitância luminosa das películas).

RESUMINDO: O alvo principal do CONTRAN são os xenon "made in fundo de quintal". Estes sim trazem insegurança ao trânsito, com seus fachos azuis fortíssimos e mal regulados. Por isso, atenha-se a fiscalizar os veículos que instalaram o xenon posteriormente, cobrando a presença da alteração no CRLV e esquecendo os detalhes técnicos das resoluções 680/87 e 227/07.

quinta-feira, 1 de janeiro de 2009

7ª edição já dentro do novo acordo gramatical


Após mais de cinco anos de existência (oficialmente um pouco mais de um) o Bizuário chega à sua 7ª edição, já com o texto atualizado de acordo com o novo acordo gramatical que passa a vigorar a partir de hoje entre os países que adotam a língua portuguesa. Na realidade, não foram muitas as modificações, mas ficaram bem estranhas. Por exemplo, semi-reboque virou semirreboque, pólo turístico virou polo turístico, pára-brisas virou parabrisas, e por aí vai. Também estão incorporadas na 7ª edição as novidades trazidas com as últimas resoluções do CONTRAN, publicadas em dezembro, e uma pequena mudança no layout visando economia de tinta ou toner. Aliás, o Bizuário também é ecologicamente correto, pois a versão impressa só é feita em papel reciclado que, além de poupar muitas árvores, facilita as impressões frente e verso, por ser menos higroscópico que o papel branco. Disponível a partir do dia 11 de janeiro.